CPVI - Centro de Pesquisa da Visão Integrativa

Tel: (11) 3256 3368

E-mail: cpvi@cpvi.com.br

Quinta, 21 de Dezembro de 2017 - Bom dia!
Óculos / Lentes
Acupuntura
Artigos Diversos
Baixa Visão
Cirurgias Oculares
Dependências
Editorial
Espiritualidade
Exercícios Oculares
Funções dos olhos
Homeopatia
Iridologia
Medicina psicossomática
Palestras
Qualidade de Vida
Vídeos
Eventos
Links
Depoimentos
Faça sua adesão na CPVI

Artigos Diversos

Visão para o futuro


Em fase experimental, transplante de retina consegue conter a degeneração macular

Uma das maiores dificuldades da oftalmologia é encontrar um tratamento efetivo para a degeneração macular, principal causa de cegueira em pessoas com mais de 60 anos. Na semana passada, durante um congresso médico realizado em Sevilha, na Espanha, o oftalmologista Rubens Siqueira, pesquisador do departamento de retina da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto, apresentou os primeiros relatos de pacientes brasileiros submetidos a uma nova técnica para o controle da doença – o transplante de retina. A cirurgia consiste na retirada de 1 milímetro quadrado da camada mais externa da retina do próprio doente e o seu implante na mácula, a estrutura responsável pela visão central (veja o quadro). O objetivo é fazer com que o tecido transplantado assuma as funções das células da mácula e o paciente, assim, recupere o máximo possível da capacidade de enxergar. A técnica ainda é experimental. No mundo inteiro, foram realizados apenas quarenta transplantes de retina, sete deles no Brasil. Em metade dos casos, a doença foi estabilizada. Outros 30% dos pacientes registraram melhoras consideráveis na qualidade da visão.

"Serão necessários pelo menos mais dez anos para que o procedimento possa ser aplicado com segurança", diz Rubens Belfort, oftalmologista da Universidade Federal de São Paulo. De qualquer forma, é um grande avanço na busca por um tratamento para a degeneração macular, especialmente a do tipo seca, para a qual não há nenhuma terapia de cura. Essa forma da doença é responsável por 90% dos casos, o que equivale a 2,7 milhões de vítimas no Brasil. O outro tipo de degeneração macular é a úmida. Ambas se caracterizam pela diminuição no aporte de oxigênio para a mácula, provocada pelo envelhecimento. Como conseqüência, as células dessa região ocular morrem – o que leva o doente à perda da visão central e, nos casos mais graves, à cegueira. A diferença é que, na degeneração macular úmida, para tentar vencer a falta de oxigênio, o organismo cria uma rede anômala de vasos sanguíneos sob a mácula. "Além de ineficientes, esses vasos tendem a se romper com facilidade, o que acelera o processo de cegueira", diz Francisco Max Damico, oftalmologista da Universidade de São Paulo.

A medicina só oferece tratamento para portadores da degeneração macular úmida – e, mesmo assim, em situações muito específicas. De medicamentos a cirurgias com laser, as terapias disponíveis limitam-se a conter a proliferação da rede paralela de vasos sanguíneos. Ainda não se conseguiu desenvolver nenhum método capaz de reparar o dano causado pela morte das células da mácula. Se confirmado o sucesso das experiências feitas até agora, a chave pode estar no transplante de retina.

 

Fonte: REVISTA VEJA - Adriana Dias Lopes