CPVI - Centro de Pesquisa da Visão Integrativa

Tel: (11) 3256 3368

E-mail: cpvi@cpvi.com.br

Domingo, 23 de Julho de 2017 - Bom dia!
Óculos / Lentes
Acupuntura
Artigos Diversos
Baixa Visão
Cirurgias Oculares
Dependências
Editorial
Espiritualidade
Exercícios Oculares
Funções dos olhos
Homeopatia
Iridologia
Medicina psicossomática
Palestras
Qualidade de Vida
Vídeos
Eventos
Links
Depoimentos
Faça sua adesão na CPVI

Espiritualidade

Refletindo


A criatura mais fácil de ser analisada para chegar à conclusão de que foi D´us quem criou o mundo, segundo explica o Chovot halevavot, é o homem. Sobre isso, consta no livro de Iov (Jô) a seguinte passagem: “Da minha carne eu vejo D`us.

Se pararmos um pouco para pensar no objetivo de cada órgão do corpo humano, e o motivo de cada órgão ser criado da forma que ele é, perceberemos claramente que houve um planejamento inteligente e detalhado para que vivêssemos da melhor forma possível. Analisemos superficialmente alguns exemplos disso.

Os olhos foram feitos para enxergar, e a visão é nosso principal sentido. É impossível imaginar como seria a vida sem os olhos, sempre na escuridão.

A guemará chega a dizer que o cego é comparado a um morto. Ao redor dos olhos estão os cílios, protegendo da poeira e fumaça. Os peixes, que vivem na água e não precisam dessa proteção, nem têm cílios.

As mãos foram feitas para pegar ou dar, para realizar todo tipo de atividades complexas do dia a dia. Com os dedos o homem pode escrever, esculpir, costurar e fazer muitos outros trabalhos que seriam impossíveis sem eles. Os animais, que não precisam fazer todos esses trabalhos, não possuem dedos tão desenvolvidos.

As pernas foram feitas para andar e passear sobre a terra e sem elas o homem não sairia do lugar. Do joelho para baixo elas são mais finas, para não pesar demais dos milhares de passos que o homem dá todo dia. Do joelho para cima são mais grossas, para poder sustentar o corpo.

Em uma análise mais minuciosa, perceberíamos facilmente que a mesma coisa ocorre com os outros órgãos do nosso corpo – todos eles com funcionamento extremamente complexo. Os ouvidos servem para escutar, o nariz para cheirar, a língua para falar ajudar no ato da deglutição, a boca para comer, os dentes para mastigar os alimentos, o estômago para digeri-los, o fígado para refiná-los, os rins para retirar as sobras que não possuem utilidade, a bexiga para reter temporariamente os resíduos, para que não saiam pouco a pouco com o término da digestão, o coração que guarda o calor humano e é a fonte da vida, o cérebro que guarda as forças espirituais, contém o sistema nervoso e é a fonte dos sentimentos, etc.

Se estivermos atentos ao processo de crescimento da criança, também perceberemos como cada detalhe foi planejado para facilitar o seu desenvolvimento. Já na barriga da mãe, foi feito para o bebê um “berço” completamente fechado e protegido. Lá ele não sente nem calor nem frio. Através do sangue da mãe chega seu alimento, sem qualquer esforço. Depois de nove meses ele nasce e sua comida deixa de vir pelo sangue da mãe, e é substituído pelo leite quente e gostoso.

O bebê nasce só com os sentidos de gosto e tato e, após poucos dias, começa a enxergar e ouvir, cada sentido no seu tempo ideal. Pois se nascesse com todos sentidos ao mesmo tempo, ele teria um choque mental e psicológico que poderia prejudicá-lo.

Quando criança, ele ainda não possui o bom senso e não consegue distinguir entre o bem e o mal, adquirindo essa capacidade somente depois que fica maior. Isso porque, se quando criança já soubesse distinguir, ele perceberia que as outras pessoas se superam a ele, sendo independentes e sabendo se mexer com rapidez, e ele por sua vez, percebendo sua incapacidade de não fazer nada sozinho, nem mesmo de se limpar, sentiria uma tristeza muito grande, que poderia causar até a sua morte.

Como a criança é dependente dos outros e não consegue fazer nada sozinha, seus pais tomam conta dela, fazendo de tudo que precisa ser feito e passando por todas as dificuldades de seu crescimento. Mas isso seria impossível de acontecer se os pais não sentissem nada pelos filhos e o encarassem como uma pessoa estranha. Por isso, foi planejado que os pais amem os filhos mais do que a si próprios, e sintam muito carinho por eles. Assim, será menos difícil de criá-los não poupando esforços e cumprindo essa missão da melhor forma possível, até que eles se tornem grandes.

Podemos observar também que os dentes não caem todos de uma só vez. O segundo dente só cairá quando o primeiro dente caído já estiver crescido em seu lugar. Se não fosse assim, a criança não teria como comer no intervalo de tempo em que caem os dentes.

O choro do bebê também é um milagre incrível. Mesmo parecendo uma coisa ruim para a criança, na verdade é algo bom e muito útil a ela. Os professores de medicina já frisam que no cérebro do bebê há um líquido que precisa ser expelido, caso contrário pode causar-lhe doenças. O choro põe o líquido para fora, colaborando com a saúde da criança.

No nosso cotidiano, a cada passo que damos ou movimento que fazemos, podemos perceber inúmeros milagres a nosso favor. Infelizmente, todas essas maravilhas que estão a nossa volta já se tornaram tão comuns a nós, a ponto de nem as valorizarmos. Para servir a D`us com amor, observar as belezas da natureza e da nossa criação são fatores essenciais.

Fonte: Yeshiva`s Magazine