CPVI - Centro de Pesquisa da Visão Integrativa

Tel: (11) 3256 3368

E-mail: cpvi@cpvi.com.br

Quinta, 21 de Dezembro de 2017 - Bom dia!
Óculos / Lentes
Acupuntura
Artigos Diversos
Baixa Visão
Cirurgias Oculares
Dependências
Editorial
Espiritualidade
Exercícios Oculares
Funções dos olhos
Homeopatia
Iridologia
Medicina psicossomática
Palestras
Qualidade de Vida
Vídeos
Eventos
Links
Depoimentos
Faça sua adesão na CPVI

Qualidade de Vida

Stress & Qualidade de Vida


Pensa-se sempre no stress como sinônimo de “fadiga” ou extremo cansaço, sempre associado ao trabalho ou ao excesso de responsabilidade. Hoje sabemos que o stress é um excesso, mas a característica básica dele é a “ausência fundamental do prazer”, portanto, um excesso de desprazer.

Pessoas fazem atividades, muitas vezes sem as terem escolhido: ou as escolheram equivocadamente (como acontece com muitos profissionais que, jovenzinhos, escolheram o fácil ou o ilusório). Assim, mais tarde, a rotina da profissão, as frustrações normais e a luta diária – necessária e difícil – não trazem o prazer esperado e tão precioso, gerando um “vazio” pessoal, quase depressivo, cheio de irritabilidade, agressividade e, muitas vezes, doenças no corpo e no psiquismo, como as doenças auto-imunes (alguns tipos de câncer, doenças de pele, de vísceras) e doenças psicológicas como o pânico, o Transtorno Obsessivo – Compulsivo, a ansiedade generalizada e alguns tipos de depressão.

Hoje o nosso ambiente social também instala em nosso aparelho psicológico muitos sinais de stress, pois o prazer do dia-a-dia cedeu lugar ao medo constante da perda caracterizada pelos assaltos, seqüestros, mentiras, acidentes provocados por outros, o medo das drogas que assusta na criação dos filhos, o medo da agressão gratuita no trânsito e nas ruas, etc.

O emprego fica dependente de tantos fatores que mudam a cada instante, a cada momento, às vezes difíceis de serem agregados à vida do trabalhados, por falta de tempo para ir até onde tais fatores podem ser obtidos, às vezes por falta de oportunidade. O fantasma do desemprego ainda assusta, tenciona e provoca a diminuição da busca pelo prazer4 no seio familiar, fazendo com que muitas pessoas busquem na bebida, no jogo ou na medicação (muitas vezes desnecessárias) o “prazer-fuga”, que na verdade não é um prazer, mas uma tentativa de adiar o medo e a frustração, aumentando o stress e comprometendo a qualidade de vida tanto do sujeito como de sua família.

A reação positiva ao stress só pode ser conseguida através do vínculo que o sujeito tem com outro sujeito (cônjuge, filhos, pais, pessoas que admira) e, com esse vínculo e através dele, sentir-se suficientemente forte em seus desejos para realizar suas coisas em nome desse vínculo. Quem tem um vínculo afetivo importante, consegue fazer suas coisas com o prazer necessário para evitar o stress, mesmo que sua atividade não seja prazerosa. Buscar, em cursos, orientações profissionais e outras ofertas de mercado uma melhor maneira de se localizar profissionalmente é um bem inestimável, mas, estar bem em seu meio afetivo é de vital importância. Assim, as pessoas poderiam refletir um pouco mais sobre a maneira como estão usando seu tempo livre, seu contato com o cônjuge ou seu substituto, seus filhos, parentes e amigos. Hoje sabemos que nos reunirmos em pequenos grupos afetivos para falar é muito mais importante e satisfatório do que nos reunirmos para beber; é na fala que veiculamos o prazer de estarmos juntos; muitas vezes a bebida estimula a agressividade que o stress já acumulado contem, e podemos, sem dúvida, tentar repartir o stress em vez de repartir o prazer de estarmos juntos.

Qualidade de vida é viver bem, saber os limites do corpo e do consumo, é saber se frustrar no momento da impotência e saber crescer na oportunidade adequada.

É saber que não existe vida fora da afetividade.

Dicas para evitar o stress no trabalho

  • Diante de uma sobrecarga de trabalho e de responsabilidade, faça um período de descanso; lembre-se que o stress pode encobrir doenças mais graves;
  • Aprenda a dizer não quando confrontado com solicitações que são exageradas ou que simplesmente não pode satisfazer;
  • Faça um balanço diário da sua vida, alegre-se com o que ela tem de bom e felicite-se por isso;
  • Identifique os acontecimentos que na sua rotina diária lhe causam mal-estar ou que o perturbam profundamente;
  • Delegue atividades e aprenda a trabalhar em grupo;
  • Desenvolva um bom relacionamento interpessoal.
Fonte: