CPVI - Centro de Pesquisa da Visão Integrativa

Tel: (11) 3256 3368

E-mail: cpvi@cpvi.com.br

Domingo, 23 de Julho de 2017 - Bom dia!
Óculos / Lentes
Acupuntura
Artigos Diversos
Baixa Visão
Cirurgias Oculares
Dependências
Editorial
Espiritualidade
Exercícios Oculares
Funções dos olhos
Homeopatia
Iridologia
Medicina psicossomática
Palestras
Qualidade de Vida
Vídeos
Eventos
Links
Depoimentos
Faça sua adesão na CPVI

Funções dos olhos

Patologias - Retinopatia diabética

Visão normal Visão com retinopatia diabética
Visão normal Visão com retinopatia diabética
A diabetes é uma doença complexa e progressiva que afeta os vasos sanguíneos do olho. Um material anormal é depositado nas paredes dos vasos sanguíneos da retina que é a região conhecida como "fundo de olho", causando estreitamento e às vezes bloqueio do vaso sanguíneo, além de enfraquecimento da sua parede – o que ocasiona deformidades conhecidas como micro-aneurismas. Estes micro-aneurismas freqüentemente rompem ou extravasam sangue causando hemorragia e infiltração de gordura na retina. Existem duas formas de retinopatia diabética: exsudativa e proliferativa. Em ambos os casos, a retinopatia pode levar a uma perda parcial ou total da visão.

Retinopatia Diabética Exsudativa: ocorre quando as hemorragias e as gorduras afetam a mácula, que é necessária para a visão central, usada para a leitura.

Retinopatia Diabética Proliferativa: surge quando a doença dos vasos sanguíneos da retina progride, o que ocasiona a proliferação de novos vasos anormais que são chamados "neovasos". Estes novos vasos são extremamente frágeis e também podem sangrar. Além do sangramento, os neovasos podem proliferar para o interior do olho causando graus variados de destruição da retina e dificuldades de visão. A proliferação dos neovasos também pode causar cegueira em conseqüência de um descolamento de retina.

Visão normal Visão com retimia diabética
Visão normal
Visão com retinopatia diabética

Causas
O diabetes melittus é o fator desencadeante desta doença, na qual o corpo humano não pode fazer uso adequado de alimentos, especialmente de açúcares. O problema específico é uma quantidade deficiente do hormônio insulina nos diabéticos.

Grupos de Riscos
As pessoas que têm diabetes apresentam um risco de perder a visão 25 vezes mais do que as que não portam a doença. A Retinopatia Diabética atinge mais de 75% das pessoas que têm diabetes há mais de 20 anos.

Tratamentos
O controle cuidadoso da diabetes com uma dieta adequada, uso de pílulas hipoglicemiantes, insulina ou com uma combinação destes tratamentos, que são prescritos pelo médico endocrinologista, são a principal forma de evitar a Retinopatia Diabética.

Fotocoagulação por raios laser: é o procedimento pelo qual pequenas áreas da retina doente são cauterizadas com a luz de um raio-laser na tentativa de prevenir o processo de hemorragia. O ideal é que este tratamento seja administrado no início da doença, possibilitando melhores resultados por isso é extremamente importante a consulta periódica ao oftalmologista.

PERGUNTAS SOBRE RETINOPATIA DIABÉTICA

O que é retinopatia diabética?

Retina normalA retinopatia diabética é resultado dos efeitos do diabete nos vasos sanguíneos da retina, um tecido que reveste o olho internamente. O diabete leva os vasos sanguíneos da retina a apresentar vazamentos (soro e sangue) e crescimento anormal. Há dois estágios principais da retinopatia diabética: não proliferativo e proliferativo. Na retinopatia diabética não proliferativa o paciente pode ter a visão normal. Os vasos sanguíneos danificados deixam vazar líquido. Gordura e proteína podem vazar e se depositar em placas na retina, conhecidas como exsudatos. Os vasos sanguíneos da retina podem sangrar e resultar nas hemorragias intra-retinianas. Se qualquer dos líquidos vazados acumularem na região central da retina (chamada mácula) a visão será afetada. Esta condição é chamada edema de mácula. Na retinopatia diabética proliferativa há o crescimento de vasos sanguíneos anormais que se estendem pela superfície da retina. Ocasionalmente esses vasos anormais invadem o conteúdo gelatinoso do olho, o vítreo. Os vasos proliferativos frequentemente se rompem, causando hemorragia vítrea que pode diminuir significativamente a visão. Tecido fibroso pode crescer sobre os novos vasos sanguíneos e distorcer a visão (vide figura). Ocasionalmente esse tecido fibroso pode se contrair puxando a retina e causando um descolamento tracional desta.

Retina com diabeteQuem tem retinopatia diabética?

Ambos os tipos de diabete, tipo I – juvenil e tipo II – que aparece no adulto, podem desenvolver retinopatia diabética. A retinopatia diabética é a principal causa de cegueira em pacientes entre 20 e 74 anos.

Como eu sei se tenho retinopatia diabética?

Pacientes podem desenvolver estágios avançados de retinopatia diabética sem estarem avisados de que a doença é progressiva. O diabético tipo I deve fazer exame oftalmológico nos primeiros cinco anos da data do diagnóstico. O diabético tipo II deve fazer este exame na época do diagnóstico. Ocasionalmente o médico oftalmologista pode realizar um exame adicional chamado aungiofluoresceinografia da retina para observação dos vasos da retina.

A retinopatia diabética pode ser tratada?

O melhor tratamento é a prevenção. O controle rigoroso dos níveis de açúcar no sangue retarda o desenvolvimento e a progressão da retinopatia diabética. Retinopatia pré-proliterativa devem ser tratadas com fotocoagulação com laser, a retinopatia diabética proliterativa é tratada com cirurgia de vitrectomia.

Quem trata os pacientes com retinopatia diabética?

O oftalmologista examina e trata os pacientes com retinopatia diabética.

Fonte: CPVI