CPVI - Centro de Pesquisa da Visão Integrativa

Tel: (11) 3256 3368

E-mail: cpvi@cpvi.com.br

Quinta, 21 de Dezembro de 2017 - Bom dia!
Óculos / Lentes
Acupuntura
Artigos Diversos
Baixa Visão
Cirurgias Oculares
Dependências
Editorial
Espiritualidade
Exercícios Oculares
Funções dos olhos
Homeopatia
Iridologia
Medicina psicossomática
Palestras
Qualidade de Vida
Vídeos
Eventos
Links
Depoimentos
Faça sua adesão na CPVI

Medicina psicossomática

Medicina da Pessoa


“Tão importante quanto conhecer a doença que o homem tem, é conhecer o homem que tem a doença”.
William Osler

Na prática clínica, com freqüência, o motivo explícito que leva o cliente à consulta nem sempre é o motivo real ou, pelo menos, o mais importante. É necessário estar atento para decodificar e, no momento oportuno, responder aos motivos implícitos. Esta capacidade é um fator importante no bom atendimento. Há clientes que chegam à consulta com queixas vagas e imprecisas. São “umas dores”, “cansaço permanente”, “mal-estar geral”, “desânimo”, “pressão no peito”. E por meio dessas queixas imprecisas, expressam as dores da vida. Nesses casos, muitas vezes, os sintomas falam. E para entender essa linguagem dos sintomas é preciso entender a história da doença na história da pessoa e no contexto em que ela vive.

A formação de um bom médico se assenta no clássico tripé: conhecimentos, habilidades e atitudes. O conhecimento se organiza a partir de informações. A habilidade depende do treinamento. E a atitude está diretamente relacionada à formação e identidade psicológicas. Nas palavras de Mello Filho (1986, p. 84), o resultado da prática médica é, de forma sintética, função de nossa capacitação técnica e da possibilidade de fazermos um bom relacionamento com nosso paciente.

Abram Eksterman compreende a Psicologia Médica, diante do fato clínico, através da “Teoria do Observador”. Em seu entendimento, o fato clínico é, ao mesmo tempo, o objeto da observação médica e objeto de ação médica. Para ser submetido à ação médica, o fato clínico deve ser apreciado não apenas como objeto isolado, mas como objeto em interação com o próprio médico. Ainda, o conceito de “pessoa” só existe na interação humana. A natureza não fabrica pessoas. A pessoa é uma concepção de cultura e produto do homem na sua relação com o outro. Assim, ao se suprimir o conhecimento da relação com o doente, suprime-se a “pessoa” da prática médica (Perestrello, 1989). É preciso considerar que as mãos e as palavras possuem também potencial como instrumentos terapêuticos (Balint, 1988).

Hipócrates é considerado o pai da Medicina não apenas porque aplicou a ela as especulações dos filósofos, mas também e principalmente porque as combinava com observações feitas à beira da cama do doente, a quem escutava com atenção. Segundo o médico inglês Richard Gordon, uma de suas maiores contribuições foi mostrar que a aplicação prática da medicina clínica resulta apenas da observação inteligente: “Como o que importa é o homem doente, não as teorias sobre a doença, a atenção deve estar voltada para o paciente, bem como para o ambiente que o cerca” (Ismael, J. C., 2002, p. 27).

Há necessidade de se refletir a respeito de tantas especializações e sofisticações da Medicina como ciência e sua real utilização frente às necessidades sociais e humanas da população. Neste novo século, as desigualdades sociais apresentam-se cada vez mais perversas, e as comunidades necessitam de médicos comprometidos com a realidade social, econômica, cultural e humana de sua clientela, pois esta adoece inserida em seu contexto social, em meio a sua situação econômica e cultural, trazendo juntamente à sua doença características pessoais: o doente é o Ser-no-mundo” (Branco, 2002).

Dessa forma, a doença entende-se como um “adoecer”: um processo histórico-biológico desenvolvido em circunstâncias adversas. Assim, diagnosticar uma doença é mais que identificar um estado mórbido; é, sobretudo, detectar um modo particular de existir, um existir doente (Perestrello, 1989). Segundo Bougnoux, citado por Belmont (2002), os médicos precisam se preocupar menos em ser sábios e “curadores” de doenças, e perseguir, cada vez mais, o modelo Winnicottiano do médico “cuidador”: profissional que toma seu paciente por inteiro, dando-lhe um atendimento holístico, e não só se comprometendo com a cura de sua doença, mas capaz de exercer seus saberes integrados à realidade do Outro. No dizer de Balint (1988), a pessoa do médico pode ser um medicamento poderoso e eficaz. Necessário se torna, pois, que o profissional saiba receitar-se adequadamente.

Conclui-se que a medicina do doente não exclui a medicina da doença, mas sim, a amplia no sentido de um atendimento holístico. Entende-se que a consulta é a base da relação terapêutica. Ela permite, através da comunicação, a realização do ato terapêutico, pelo qual o profissional ouve as queixas do cliente, toma sua história pessoal, analisa os sintomas, pesquisa os sinais, faz o diagnóstico e estabelece a conduta. Logo, o êxito do ato terapêutico depende, na prática, da comunicação estabelecida durante a consulta.