CPVI - Centro de Pesquisa da Visão Integrativa

Tel: (11) 3256 3368

E-mail: cpvi@cpvi.com.br

Quinta, 21 de Dezembro de 2017 - Bom dia!
Óculos / Lentes
Acupuntura
Artigos Diversos
Baixa Visão
Cirurgias Oculares
Dependências
Editorial
Espiritualidade
Exercícios Oculares
Funções dos olhos
Homeopatia
Iridologia
Medicina psicossomática
Palestras
Qualidade de Vida
Vídeos
Eventos
Links
Depoimentos
Faça sua adesão na CPVI

Dependências

Loucos por Internet


Quem, hoje, não conhece algum adolescente que não sai mais com os amigos, que abandonou a prática de esportes e perdeu a vontade de estudar, mas, em compensação, liga a Internet assim que chega em casa e até altas horas da madrugada troca a normal e sadia convivência social pelos papos virtuais em uma das dezenas de chats disponíveis? Ele é vítima de uma patologia contemporânea que preocupa e mobiliza psiquiatras e psicólogos: a “Internet dependência”.

Esse adolescente está longe de ser um caso único. Há, em todo o mundo, milhões deles, e não apenas adolescentes. Pesquisas sérias, como as feitas pela médica norte-americana Kimberly Young, do Center for On-line Addiction (www.netaddiction.com/compa ny_info), informam que o número global dos que sofrem da síndrome se situa entre 6 e 10% do total de usuários da rede.

São pessoas de todas as idades, profissões e classes sociais, que possuem como ponto em comum o fato de não conseguirem controlar o impulso irresistível que as faz passar en-tre 50 e 60 horas por semana conectadas à rede.

Como alguém se torna vítima da síndrome de Internet dependência? Os estudiosos explicam que, de início, o doente percebe apenas a necessidade de aumentar o tempo transcorrido diante do monitor. Mas rapidamente ele se dá conta de que não consegue suspender e muito menos abdicar do uso da rede. As características psicológicas das vítimas da Internet dependência são, quase sempre, as mesmas dos toxicômanos clássicos: indivíduos que sofrem de solidão, depressão e dificuldade de comunicação.

Tais pessoas tendem a se esconder atrás desse novo meio, a procurar refúgio num mundo virtual no qual podem inventar para si mesmos uma nova vida, uma identidade alternativa mais gratificante do que a real. Pessoas, portanto, que sofrem de dificuldades para alcançar uma integração social normal. Aliada a isso existe também, segundo alguns estudiosos, uma predisposição genética.

E, fator importante, o risco aumenta consideravelmente para aqueles que são obrigados, por conta do seu trabalho, a passar muitas horas diante do computador, como os programadores, os pesquisadores e os jornalistas.

Dependência de informações, a mais recente novidade

Uma das descobertas mais recentes revela uma modalidade inusitada de dependência potencializada pela Internet: a “dependência de informações”. O constante bombardeio de notícias fornecidas não apenas pela Internet, mas também pela televisão e por outras ferramentas da mídia contemporânea, “vicia” a pessoa e cria em algumas delas uma necessidade cada vez maior de consumir informações.

Esse consumo pode se tornar obsessivo e, nesse caso, o “viciado” em informações começa a manifestar os mesmos sintomas de qualquer outra forma de dependência. Entram em estado de angústia patológica quando são obrigados a passar muito tempo sem acessar e consumir informações.

Famílias de “ciberdependentes”

  1. Pacientes entre 17-25 anos que chegam a jogar videogames 12 horas por dia.
  2. Os que não saem dos chats e fóruns de discussão.
  3. Os adultos que mergulham nos sites pornográficos.

Não se discute o fato de que a Internet veio para ficar e constitui hoje uma ferramenta essencial e utilíssima da vida moderna. Mas a prática compulsiva dos recursos que ela oferece nada tem de inócua ou de brincadeira. Exatamente como acontece com as drogas químicas (as toxicomanias), as dependências não-químicas também trazem consigo uma séria possibilidade de loucura e de alienação da realidade.

Tempos modernos e seus vícios típicos

Celular, bingo, trabalho, televisão, comida, sexo, exercícios físicos: tudo em excesso pode se converter em dependência não-química.

A Internet dependência está longe de ser a única no leque amplo das dependências não-químicas. Videogames, compras compulsivas, telefone celular, trabalho, religião e esoterismo, comida, prática compulsiva de esportes e exercícios físicos de fitness, sexo compulsivo, jogos de azar constituem algumas modalidades dessa nova linha de dependências típicas dos tempos modernos. Até mesmo certas formas de dependência amorosa e afetiva são entendidas hoje como modalidades de dependência.

Um episódio do seriado norte-americano ER (Plantão Médico, no Brasil) apresentou há pouco o caso de um rapaz internado no pronto-socorro por conta da compulsão de se masturbar cerca de dez vezes por dia. Na Dinamarca, um jovem pediu ajuda a uma clínica de desintoxicação: ele desenvolvera a mania de enviar mais de 200 mensagens SMS por dia; no final de cada mês a conta do seu celular superava dois mil euros (cerca de seis mil reais).

O primeiro lugar em número de casos de dependência não-química parece ser ocupado pela ludopatia – o jogo patológico. Ela engloba não apenas os tradicionais jogos de azar – nos dias de hoje sobretudo o bingo –, mas também os jogos possibilitados pelo computador, como os videogames, os jogos de paciência, etc. É enorme o número de casos de lesões por esforço repetitivo (LER) na musculatura da mão e do braço devido à prática compulsiva de videogames e jogos de paciência, os quais exigem um uso intenso do mouse.