CPVI - Centro de Pesquisa da Visão Integrativa

Tel: (11) 3256 3368

E-mail: cpvi@cpvi.com.br

Quinta, 23 de Novembro de 2017 - Boa tarde!
Óculos / Lentes
Acupuntura
Artigos Diversos
Baixa Visão
Cirurgias Oculares
Dependências
Editorial
Espiritualidade
Exercícios Oculares
Funções dos olhos
Homeopatia
Iridologia
Medicina psicossomática
Palestras
Qualidade de Vida
Vídeos
Eventos
Links
Depoimentos
Faça sua adesão na CPVI

Artigos Diversos

A relação médico-paciente agoniza


Desde que me formei, em 1977, a Medicina fez imensos progressos do ponto de vista técnico, destacando-se os fantásticos diagnósticos por imagem em diversas áreas, as cirurgias cada vez menos invasivas, com alto percentual de cura e baixa morbidade; drogas potentes contra doenças até então incuráveis ou de difícil controle; a melhor compreensão e utilização do código genético, com possibilidades reais de terapia genética. No Brasil, as campanhas de vacinação, cada vez mais bem planejadas e executadas, levaram ao virtual desaparecimento de doenças graves como paralisia infantil e o sarampo. Avanços incontestáveis, que proporcionaram aumento da média e da qualidade de vida para todos.

Na oftalmologia, os progressos foram excepcionais: a cirurgia da catarata, com micro incisões e lentes dobráveis; as diversas possibilidades de diagnósticos e tratamentos com a tecnologia dos lasers nas doenças de retina e vítreo; as cirurgias refrativas; múltiplas drogas para controle do glaucoma; anti-angiogênicos para doenças vasculares e outras tantas aquisições, permitiram reduzir drasticamente os índices de cegueira.

Porém nem tudo são flores!... Neste mesmo período, os hospitais públicos e ambulatórios, onde a grande massa da população é atendida, apresentaram degradação progressiva e, hoje, muitos encontram-se em estado lamentável. O descaso das chamadas autoridades, em todas as esferas de governo e ao longo de muitos anos, estendeu-se também aos profissionais de saúde, que passaram a ter remuneração que podemos chamar de aviltante, sem medo de errar. Condições inadequadas de trabalho e a falta de remuneração justa fazem com que muitos jovens com grande potencial percam o interesse em se tornarem servidores públicos, prejudicando ainda mais o atendimento à população carente.

Ao mesmo tempo, na medicina privada ocorreu uma aberração na relação médico-paciente com a proliferação de empresas de intermediação dos serviços médicos, que funcionam como verdadeiros atravessadores, trazendo as conseqüências por nós sobejamente conhecidas, uma das quais, no entanto, não posso deixar de ressaltar: a insegurança no diagnóstico, devido ao pouco tempo para as consultas, provocando uma escalada na solicitação de exames complementares, expondo o paciente a riscos desnecessários, principalmente nos exames invasivos, com aumento da iatrogenia.

Ao lado dessa indústria de exames e procedimentos complementares, que chamo de “aparelhose”, surgiram os super-especialistas, muitas vezes importantes, mas que, com alguma freqüência preocupam-se mais com o resultado dos exames do que com o próprio paciente, suas queixas e suas expectativas.

Apontar culpados é relativamente fácil, mas se houve distorções ao longo do tempo devemos reconhecer que nós fazemos parte deste processo e também contribuímos, de algum modo, para que isto ocorresse. Mas um fato é inegável, apesar dos imensos avanços científicos a nossa Medicina está doente, a relação médico-paciente está agonizando!

Fonte: Vice-presidente da SOB – Condensado do discurso de posse na Academia de Medicina do Rio de Janeiro.